Estação Rodoviária

Cheguei na  Estação Rodoviária do Tiete.  Muita gente… um zum zum  zum.. pessoas vindo, indo, carrinhos, malas com rodinhas,  um turbilhão muito agitado e constante … De longe avisto finalmente o guichê de passagens.  Uma fila… crianças, senhoras, rapazes e … não vejo nenhum sênior.  Sou a única  velha da fila.  Tento me fazer respeitar e aproveitar a tal da preferencial da terceira idade… mas aqui não funciona… Todos estão estressados e cada um quer ser o primeiro da fila.  De repente, surge não sei de onde, um rapazola de  túnica amarela onde se destaca um crachá com  o nome da companhia.  Timidamente el chega para perguntar de voz baixa -“Alguém vai pagar com cartão?”.  Eu me adianto pensando   “é aí que passo na frente de todos”.  O jovem sorri ao me ver nervosa.  -“Fique calma senhora,  eu a levo até lá,  não precisará esperar”.  Ufa, que alivio.  Ele, gentilmente me ajuda e se encarrega de levar a mala; eu respiro mais aliviada!  Lá, no final do corredor abre-se uma porta de vidro e ingresso numa sala repleta de caixas automáticos, são dez ao todo, Cinco de cada lado.  No fundo, um balcão onde duas moças uniformizadas se revezam para atender viajantes.

O  rapazola Lucas,  pergunta o meu itinerário. Eu digo Campos do Jordão e pergunto se o ônibus para antes de chegar ao seu destino.  Lucas não parece ter muita experiência.  Ele interpela uma das moças de uniforme  -“Sim, em Aparecida” . Então se dirige a um dos caixas e começa a digitar.  Eu não entendo nada! A máquina vomita vários comprovantes;  comprovante de viagem, de seguro, do cartão, cópia do comprador, cópia do vendedor,  é muito papel que ele me entrega sorridente.  Verifico os ‘tickets’ .  Não, não pode ser…. eles indicam como destino Aparecida… e já está tudo pago… Solto um oh, seguido de ai e desesperada já começo a imaginar o pior… Em meio a este turbilhão de pessoas e de máquinas, o que é que vou fazer em Aparecida!!!!    Mas então vem a moça de uniforme, no crachá o seu nome Graciele.  -“Está tudo bem Lucas, eu faço o estorno e emito nova passagem”. Lucas se confundiu,  ouviu Aparecida e esqueceu Campos do Jordão.  Graciele é muito gentil,  e permite que eu fique sentada ao seu lado enquanto digita o estorno num pequeno computador.  Finalmente, após 45 minutos está tudo corrigido. Graciele riu muito me assegurando que,  rezar em Aparecida, certamente ficará para  outra ocasião.   Agora o meu destino é certo.  Respiro aliviada.  Ela sorri, me acompanha até a grande porta de vidro e me indica o terminal  onde devo pegar o ônibus.  A mala está cada vez mais pesada. O corredor  do Terminal de Ônibus  parece interminável.  -“É só pegar o elevador” diz um senhor de meia idade.  -“A escada rolante está logo ali” diz uma moça.  Estou cansada e não vejo o elevador.  Vou pela escada rolante e a mala pesa!  Um rapazinho tem pena e se oferece para me ajudar a descer com a mala.   Aleluia!  Finalmente cheguei no portão de embarque!

Despacho a minha mala e subo no ônibus.  Minha poltrona é do lado do corredor. Sento. Nada mais me preocupa, são três horas de viagem e até lá vou fechar os olhos e relaxar.  Como se isto fosse possível !!!   Na minha frente um senhor de cabelos grisalhos, já no início da viajem, inclina o seu banco totalmente para traz e me deixa prensada… Nem posso esticar as pernas! Ao meu lado uma senhora  sentada de pernas cruzadas, muito magra, com cabelo grisalho me dá um sorriso seco!  Eu penso: -‘como é que ela consegue cruzar as pernas num espaço tão estreito?’  Me acomodo como posso e o ônibus inicia a sua trajetória.  Nem saímos ainda de São Paulo, ela tira os óculos e começa a me contar que só vai passar alguns dias fora, que foi casada,  agora é viúva, tem três filhos e relata o que cada um faz.  Ela é pianista e eu quero dormir… Fecho os olhos, mas ela está tão empolgada que continua sem se dar conta que fechei os olhos…. E a viagem segue; falta pouco, apenas mais uma horinha… Minha vizinha não parou de falar um minuto sequer.  Quando penso que vai se fazer silêncio, o passageiro de trás começa a puxar conversa com o passageiro do lado. Uma voz alta de barítono que acorda todo ônibus.  Agora a chance de relaxar está cada vez  menor…  Ainda bem que trinta minutos passam rapidamente. Finalmente chego ao meu destino.  Os passageiros já estão enfileirados, prontos para descer.  E, a senhora continua falando atrás de mim. Ela não tem bagagem, bate no meu ombro e diz .  – “Tirou uma boa soneca, né! Então, até logo e boa estadia” .  Será que não percebeu que eu só estava fingindo! Desço,  me dirijo ao bagageiro , pego a minha malinha e me apresso em direção ao carro que acaba de chegar.  Estou feliz em rever o rosto querido da minha amada amiga.

 

 

 

Uma consideração sobre “Estação Rodoviária”

Deixe uma resposta para Berta Beraja Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s